Polícia Militar promove projeto que humaniza trabalho da instituição entre estudantes

Criado em 22 de agosto de 2013, devido às ocorrências dentro das escolas que aumentaram as demandas de atuação do Batalhão de Polícia Escolar (BPEsc), o Grupo de Articulação Comunitária (GAC), da Polícia Militar de Alagoas (PM), surgiu da necessidade de implantar ações preventivas voltadas para estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino, mas também se estendendo à rede privada.

Á época, o comando do referido batalhão indicou as policiais militares subtenente Rosimary e a cabo Jacileide para cumprir a missão em desenvolver uma proposta pedagógica baseada em assuntos relacionados ao comportamento, dentro do ambiente escolar, e que se refletem na vida social.

As temáticas decididas para esclarecimento e orientações aos estudantes concentram-se em bulliyng, violência, mediação de conflitos e valores humanos. Meses depois, a soldado Simone juntou-se à equipe. Essas três policiais militares foram as pioneiras do GAC.

Aproximação

Um dos integrantes do GAC é o soldado João Paulo Tenório. Ele está há cerca de três anos no grupo e tem em seu currículo vários cursos, inclusive um de mediação de conflitos realizado pelo Tribunal de Justiça de Alagoas. Sobre sua motivação para realizar esse trabalho, ele argumenta ser uma maneira de aproximação com a comunidade.

“É uma oportunidade para desmistificar a visão da polícia truculenta e, ao mesmo tempo, ser um policial, com referência de boa conduta e honradez,  para as crianças e adolescentes atendidas pelo GAC. Ouvir deles, após a palestra, que querem ser policiais, é muito gratificante”, disse Tenório, que já foi integrante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), ao revelar que o trabalho desenvolvido pelo GAC tem ajudado a humanizar o serviço policial e conquistado a simpatia de jovens que antes resistiam à Polícia Militar.

O comandante do BPEsc, tenente-coronel Silvestre Soares, ressaltou o caráter educativo do GAC na interação com a comunidade escolar.

“As atividades desenvolvidas por nossos policiais esclarecem assuntos polêmicos e motivam para a conivência harmoniosa no ambiente escolar. Jogos eletrônicos, como o Baleia Azul, e crimes como o cyberbulling, por exemplo, são discutidos por meio de dinâmicas e palestras que conscientizam sobre os males associados. Nosso objetivo é despertar a cultura de paz no âmbito escolar e que seja contínua na conivência social”.

Metodologia

Atualmente, cinco militares fazem parte da equipe coordenada pelo tenente Alex, que tem formação pelo Proerd. Os policiais se dividem entre o trabalho ostensivo e as ações preventivas.

No primeiro semestre deste ano, sete escolas públicas, localizadas em bairros diferentes de Maceió, receberam as ações do GAC, totalizando cerca 1250 alunos atendidos.

Em abril, os policiais do grupo passaram por um curso de atualização pedagógica para reforçar as informações e métodos desenvolvidos nas palestras, mas é comum participarem de palestras e wokshops direcionados para a atuação do GAC.

A metodologia baseia-se em palestras dinâmicas com o auxílio de recursos audiovisuais direcionadas para alunos, professores e pais de alunos, incluindo atividades educativas e visitas dirigidas ao BPEsc e a outros locais que agreguem conhecimento, a exemplo do Parque Municipal e do Estádio Rei Pelé.

Ascom – 18/09/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *