“Imagens são chocantes e causam muita revolta”, diz delegado sobre estupro coletivo em Penedo

penedo

Uma denúncia de estupro coletivo feita pela vítima, uma adolescente de 17 anos, ocorrido em Penedo, resultou na prisão de quatro suspeitos na última terça-feira (19). A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) anunciou uma coletiva ainda nesta quarta-feira (20) para dar mais dados sobre o caso.

De acordo com informações apuradas pelo site Aqui Acontece, a vítima, que não terá seu nome revelado para resguardar sua imagem, contou em depoimento que estava em uma residência no bairro Senhor do Bonfim quando supostamente foi dopada.

“Ela estava em uma residência com os investigados quando supostamente foi dopada. A partir desse momento, os mesmos passaram a abusar sexualmente da adolescente, que teve um forte sangramento. Não satisfeitos, eles ainda filmaram todo o crime e jogaram em grupos de WhatsApp. As imagens são chocantes e causam revolta, muita revolta”, declarou o delegado regional Guilherme Martim Iusten.

Caso fique comprovada a participação dos suspeitos no caso, eles serão indiciados pelo crime de estupro de vulnerável, divulgação de imagens pornográficas de adolescente e permanecerão presos, à disposição da Justiça de Alagoas. Ainda em seu depoimento, a adolescente contou que esperou cerca de dez dias para denunciar o crime porque foi ameaçada de morte caso contasse para alguém o ocorrido.

No vídeo, um dos homens segura a cabeça da vítima enquanto os outros abusam dela, tocando com bastante violência suas partes íntimas. “Quando o sangue começa a correr, um deles, agindo com bastante frieza, chega a dizer que não tem mais ‘tara’ em continuar com o abuso e que precisa lavar as mãos. São uns verdadeiros monstros e agora vão sentir o peso da lei”, complementou o delegado em tom de revolta, lembrando que o caso lembra o registrado recentemente no Rio de Janeiro.

A pena prevista pelo Estatuto da Criança e Adolescente para o crime de divulgação de imagem pornográfica de crianças e adolescentes é de três a seis anos de prisão. No caso do crime de estupro, as penas podem variar de seis a dez anos de prisão.

A jovem foi submetida a exame de conjunção carnal no Instituto Médico Legal (IML) de Arapiraca. O laudo deve comprovar a violência sexual. Um dos suspeitos ainda não foi localizado pela polícia. No entanto, um advogado compareceu na delegacia regional para marcar o depoimento de seu cliente para a próxima semana. Os nomes dos suspeitos ainda não foram divulgados.
Fonte: Aqui Acontece