Economia Solidária garante renda para famílias de artesãos

Semtabes ampliou espaços de comercialização para grupos da Economia Solidária

“A gente nasce gostando”. A frase é da artesã Rosana Maria de Farias, do Grupo Abelinha, do Feitosa. Ela afirma que sua vida mudou com o trabalho de incentivo à Economia Solidária, executado pela Prefeitura de Maceió.

“Produzir nos faz conseguir renda, mas além disso, o dia a dia, o contato com outros artesãos nos ajuda a confraternizar. Isso é importante para a nossa vida. A Economia Solidária trouxe muitos benefícios para todos que estão envolvidos e mudou minha vida para melhor”, disse Rosana.

A artesã faz parte de um de mais de 50 grupos ativos de Economia Solidária atendidos pela Secretaria Municipal de Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária (Semtabes), que estão expondo seus produtos nos principais shoppings e mercado de Maceió.

Atualmente, existem três grandes pontos de exposição e comercialização: Maceió Shopping, que possui 21 grupos no local, com 140 mulheres artesãs; Pátio Maceió, que possui 16 grupos expondo, com 112 artesãs; e o Mercado do Jaraguá, que possui 10 grupos, com 70 artesãs. Os grupos realizam o sistema de rodízio entre os pontos. A proposta da Secretaria é buscar mais espaços como esses.

“A Semtabes tem dado apoio aos grupos de Economia Solidária e desempenhou um papel importante na busca por novas oportunidades de comercialização e no fomento do setor em Maceió”, afirmou o titular da Semtabes,  Jurandir Boia.

Nova loja da Economia Solidária no Mercado do Jaraguá

O ano de 2016 foi de busca pela ampliação de espaços onde a Economia Solidária pudesse se inserir e fomentar a renda dos artesãos. “Tivemos um ano muito positivo. Temos três novos pontos fixos de comercialização. Isso é importante para as artesãs que estão muito felizes e conseguindo comercializar seus produtos. Além disso, novos grupos estão surgindo e estamos trabalhando cada vez mais para prosseguir com esse incentivo”, colocou o diretor de Economia Solidária da Semtabes, José de Lima.

A Semtabes promoveu ainda  o primeiro curso de corte e costura no Mercado do Artesanato, que contou com a presença de grupos de Economia Solidária cadastrados na Semtabes.

“O ano de 2016 foi positivo. A economia brasileira enfrentou uma grande dificuldade, mas trabalhamos sempre na busca por novas oportunidades, para que esses grupos consigam apresentar seu trabalho e garantir, claro, sua renda”, finalizou o secretário.

Tatiane Gomes (estagiária) / Ascom Semtabes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *