Chuva prejudica cerca de 500 famílias em Viamão, aponta Defesa Civil

Defesa Civil trabalha na coleta dos dados sobre os prejuízos.
Até o momento não há informação de desabrigados ou desalojados.

A chuva e a ventania que atingiram o Rio Grande do Sul na madrugada desta quarta-feira (4) causaram danos em diversas áreas do estado. A mais afetada foi a Região Metropolitana de Porto Alegre. A Defesa Civil trabalha na coleta dos dados sobre os prejuízos.

Em Viamão, houve enxurradas nas adjacências da Avenida Conquista. A prefeitura estima que até 500 famílias podem ter sido prejudicadas pelo temporal. No entanto, até o momento não há informação de desabrigados ou desalojados.

No município de Charqueadas, na Região Carbonífera, a Defesa Civil ainda contabiliza danos, principalmente com quedas de árvores e postes.

Nas demais regiões, não houve prejuízos significativos, ao menos até o momento. Porém, o levantamento ainda é preliminar, aponta a Defesa Civil.

Em Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, o vento destelhou quatro casas. Em Imbé, no Litoral Norte, uma casa também foi destelhada.

Na cidade de Cachoeira do Sul, no Centro do estado, o acumulado de chuva foi de 92 milímetros, a média prevista para o mês de janeiro. Em São Jerônimo, na Região Carbonífera, foram 54 mm, em em Viamão, 47 mm.

Fornecimento de luz
De acordo com as três empresas responsáveis pelo fornecimento de energia elétrica no Rio Grande do Sul, cerca de 40 mil clientes estão sem luz no estado. A área atendida pela concessionária RGE Sul é a mais afetada com 31 mil clientes com serviço interrompido.

Na área de cobertura da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) o número de afetados caiu de 22 mil, durante a madrugada, para 4,7 mil durante a manhã, sendo que a região mais afetada é a Carbonífera, a cerca de 60 quilômetros de Porto Alegre.

Durante a madrugada, foram realizados reparos na cidades de Arroio dos Ratos, Charqueadas, Butiá, Minas do Leão, Viamão e Alvorada. Já na área de cobertura da RGE, são cerca de 12 mil clientes que estão sem energia elétrica.

g1

04/01/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *